Páginas

terça-feira, 25 de novembro de 2008

O mundo de azul, o colo vermelho e a tinta pálida.

Aos sete corpos mortos no estádio da Fonte Nova e à bela música: Pequenas Doses, da antiga banda do irmão Beto. 25/11/2007


Sai à emoção jorrando feito sangue de barata.

Sangue azul de quem acredita

Uma tinta anil e fria

pulsa como pulse ou valsa.

Outro lado o magma

calmo, corrente e vil

escorre pelas beiradas

em busca do azul-anil


Num espaço intercalado

o clamor de almas divinas

de anjos caídos e alvos

de corpos caídos e salvos

de gritos, de grupo, de sina


De uma só voz com paixão e fluidez.

de pálida tez, de um impulso de vez para

um estágio acima.

De uma descida de vez num estádio abaixo.

- Precipício -

Do azul para o vermelho escarlate

pulsando suas últimas paixões.

Sentindo inverso do tricolor baiano.

Cores sensações. Segunda de visões.

- Túmulo –

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

AMOR DE MULHER


A garota declara:

- Eu te amo de corpo, alma e coração.

O garoto deixa claro:

- Eu te amo de corpo, cama e ereção.

domingo, 2 de novembro de 2008

CANAVIAL OU CREPÚSCULO

"Essa instalação 'Crepúsculo' foi feita por Marina Toledo em 2007 a partir do poema homônimo. Marina é Capixaba, artista plástica e cheias de dúvidas. mora em Vitória ES, mas tem um sonho de morar na Lua. Papelão/Oléo/Guache/Jornal/Plástico..."



O sol deitando por detrás dos canaviais.

Olhos semi fechados.
Verdes espetos galgam com o vento.
No horizonte perfuram as nuvens.
Magenta, Amarelo ouro, Azul turquesa num radial.
flertam levemente com o sereno.
Apagam-se as luzes ambiente.
Outro Deus vai dar plantão.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Dollar

O ideal

é distante do

real.

Principalmente $e for cotado em dólar.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

AMOR MILITANTE




Gás lacrimogêneo é quando estás distante.

... Quando estás perto é gás hilariante.

domingo, 19 de outubro de 2008

A GIRL

The tree has entered my hands,
The sap has ascended my arms,
The tree has grown in my breast -
Downward,
The branches grow out of me, like arms.

Tree you are,
Moss you are,
You are violets with wind above them.
A child - so high - you are,
And all this is folly to the world.

Ezra Pound

UMA MENINA

A árvore penetra em minhas mãos,
A seiva toma meus braços,
A árvore cresce pelo meu peito -
Abaixo,
os galhos se perdem de mim, como membros.

Você é árvore,
Você é musgo,
Você é violetas ao soprar do vento.
Uma criança - tão alta - você é,
e tudo isto,para o mundo, é relento.

Tradução: Rafael dos Prazeres

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

CONSELHO AO POETA INICIANTE



Dedo imperativo:

-... Viu? Não ter medo de arriscar!!

Mão apreensiva:

-... Haaa! Não ter medo de riscar??

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

E-TI-K



ESTÉTICAESTILOESTÉRILTEXTO.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

ALEGRE PASSEATA





Coragem

Cor Agir

InterAgir

Na margem

da cor

da viagem

colorida

ida

volta

passa

passeata

haja!!

terça-feira, 9 de setembro de 2008

BAILE DE CERVANTES


Forró: Dançar a(Qui) xote contigo

É Sancho Pança e beijos de umbigo.

sábado, 23 de agosto de 2008

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

SAND ME SEND


Sand
Sandy
Sandal
Sandcastle
Sandpaper
Wrapping paper
Writing paper
Giftwrap, toilet paper
Send me, woman
Send me a paper
Sender

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

AREIA



A pérola é uma bolinha feita de areia

O diamante é o objeto mais sólido do mundo, inquebrável.

O espelho é liquido, quebra rápido e é feito de areia.

A areia brilha ao sol, é leve e tem cor-de-pérola.

Quando está debaixo de um espelho d'água a areia parece

uma grande tábua de madeira deitada com infinita dimensão.

Contar grãos de areia é uma pérola do oito deitado.

Namorar na areia é coisa de amantes.

Mastigar areia é como quebrar espelhos na boca

Grãos de areia nos olhos é como... ... ... Cactos nos olhos.

Saco de areia nas costas parece o objeto mais

sólido do mundo, insustentável.

No espelho, o seu corpo pérola reluz como diamante.

Ou melhor, brilha como areia ao sol.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

CONFLITO


Qd eu ñ quis
ela quis
Qd eu quis
ela ñ quis
Qd ambos quisemos
ñ ficamos
qd discordamos
DESK - tamos

Qd eu dei a última forma
ela contra-reforma
Enquanto eu desplugado
ela ativa
Enquanto ela ligada, cativa
eu estava Off
e qd eu login
ela logoff
fechou os olhos e foi embora

(No corpo do e-mail)
Enquanto ela, q das minhas palavras ria
eu, com choro na memória
fechei a tela com esteio.

terça-feira, 15 de julho de 2008

MERCHANDISE



Cabelos de traços longos,
riscos lisos ininterruptos,
dançantes ao soprar do vento
e reluzentes a vestidos olhos.

cabelo de cujo nome eu me esqueço
madei(cha)ndise que na cabeça fica
Ilu-deleita- cabeça de chantagista
tirando vantagem do desejoso beiço

Cabelos que escorrem pescoço abaixo
no rosto, ombro, costas, e braço (direito)
protegendo o sorriso escondido

Cabelo desarrumado é um modelo
um tear de pura lã, um novelo
que me enrola num berço mais querido.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

22



a22ente
“Po22enti”
a(2)e22o

In2ano
a(2)e2o
po22e22o

ma22ivo
ma22ante
pe2ado

pa22ante
pa22ado
a22ado

2audável
2en2ível
2uave

2algado
2arnento
2ebo2o

ex(2)e22o
2edento
2il^n(2)io

p222222222222222222iu!!!!

domingo, 6 de julho de 2008

CAYMMI IN MIM


O BEM DO MAR:
O Pescador tem dois amor
Um bem na terra
Um bem no mar
1959 Salvador

O BEM DO MATO:
O Beija-flor tem dois amor
Um bem na flora
Um bem no mato
2008 Copacabana

quinta-feira, 3 de julho de 2008

TÍTULOS



O homem nasce, cresce...

graduação

especialização

mestrado

doutorado

pós-doutorado:

Cadáver culto.


GOSTO REFINADO

Açúcar
Mascavo
Açúcar
Mais caro



PISCINA V



Cabelo, insinuante, xampu de tangerina
Cloro, água, sal mineral
lenço de papel, hidratante
1/2 metro dcm³ abaixo

Bolhinhas de ar a escapar pela narina
borda, salto, verso frontal
meio gole de líquido desinfetante
lodo no lustre, mosaico da caixa

LIBERTAR DORES


Pênalti é quando Deus está em dúvida
de quem deve ganhar a partida.

terça-feira, 1 de julho de 2008

segunda-feira, 30 de junho de 2008

MAR DE FRONTE


Caneta cor de veneziana creme
caderno de anotação à janela aberta e reluzente
raios de sol ilustrando olhos

Chinelos de pêssego maduro e doce
calças aos passeios da brisa
camisa de seda a derrama-lhe corpo

seixos com caules e frutos amarelo manga e vermelho verão
mãos sustentando piscares de eterno dialogo
boca tomando xícaras de beleza
num final de tarde varanda adentro.

sábado, 21 de junho de 2008

ORKUT


Quem tem orkut-tem medo:

Lindo + Respondidos = deleitados.

(CD-ROM)ANCE

NAMORO
QUE MORA

NO CORAÇÃO

AROMA

NO AR

COMO UMA RÃ


AMARGA

NUMA CASA

DE ORAÇÃO


AMA

COMO AMORA
OU ROMÃ


EM ROMA

NO MAR OU
MEMÓRIA RAM

PEDINTES


Suor da Santa ceia


O suor nem chega a escorregar

nos sinais e nas esquinas muita luta

É a marca do rosto que evapora

caminhando sob o sol numa labuta


Um trabalho que não cessa em rodovia

Nem nas ruas, avenida ou logradouro

procurando o trânsito do dia-a-dia

se transforma num eterno matadouro


Por ouro, um besouro voa atrás do mel

nem pensa quando olha, reza para o céu.

acredita num deus que tarda a chegar

e de longe lhe oferece o vosso pão de cada dia


mesmo assim ele cria, lava, pede, vende

causa medo na estrutura

“Eu podia tá roubando, podia tá matando”,

mas não, tô aqui pedindo criatura ““.


Você não quer nem saber

que fim vai levar essa história

pois se farta numa ceia

proferindo palavras de glória

Música

sexta-feira, 20 de junho de 2008

PROMESSA IMPOSSÍVEL

Amanhã eu sou só seu.
Amanhã eu sou sol céu.




PISCINA IV


Sombra torta sob a água ávida
Fantasma no gráfico da piscina
Costas camuflada por pulseira insípida

Ondas, dissipando líquido
ao contato do corpo pálido
sobre o mosaico ilógico

Imagem de um mergulho raso,
ar preso num suspiro rápido
dentro de um quadrilátero

pleno de conteúdo límpido
num quase dia fúlgido
meteorológico.

PISCINA III


Do tronco d'árvore:

Uma vista binocular

para fora daquele clube

para fora daquele cubo

para beira da piscina

Mata ciliar:

Uma fita à flora viva

Um feixe de fotossintese

Um facho fotográfico

Uma seiva fac-símile

dissolvido em ponta, caule

e raiz de cabelo (primo iti)

sereia cloro:

Estrias ao biquini preto,

fotolito com raios de miçangas

ao braço direito

a rimar em pensamentos frouxo

e sutiã desrevelado.

PISCINA II


Feixe de braço reflexo

banho de madeixa

rima pele, rima pêlo,

ritmo d'água

biquíni preto.

Por cima:

Um peixe semi nu (sereia)

fechando pontos cartesianos da piscina.

PISCINA


Submerso:

Um beijo bolhinhas à mão escorregadia sobre a pele de baleia.

À tona:

Dois beijos de complemento ao ar suspenso ao peito flutuante.

THE POEM

There sleeps a poem in my mind
That shall my entire soul express.
I feel it vague as sound and wind
Yet sculptured in full definiteness...

It has no stanza, verse or word,
Even as I dream it, it is not.
'Tis a mere feeling of it, blurred,
And but a happy mist round thought.

Day and night in my mystery
I dream and read and spell it over,
And ever round words' brink in me
Its vague completeness seems to hover.

I know it never shall be writ.
I know I know not what it is,
But I am happy dreaming it,
And false bliss, although false, is bliss.

Fernando Pessoa

O POEMA

Dorme um poema em meu intelecto
que deve minh'alma completa expressão.
Eu o sinto vago como som e vento
ainda emoldurado em completa concisão.

Sem estrofe, verso ou vocábulo
Não o é, mesmo quando eu sonho.
É uma mera sensação de que,confuso,
e nada além de uma névoa em torno
[de pensamentos risonhos

Dia e noite com meu enigma
Eu sonho e leio-o e o escrevo completamente,
E mesmo em torno do fio das palavras em mim
Sua vaga completude parece estar iminente.

Eu sei que ele nunca será escrito
Eu sei. Aliás, eu não sei o que é isso,
Ainda que feliz e esperando-o,
e num falso êxito,embora falso,um êxito.



Tradução: Rafael dos Prazeres

sexta-feira, 6 de junho de 2008

MEANTIME

Far away, far away,
Far away from here...
There is no worry after joy
Or away from fear
Far away from here.

Her lips were not very red,
Not her hair quite gold.
Her hands played with rings.
She did not let me hold
Her hands playing with gold.

She is somewhere past,
Far away from pain.
You can touch her not, nor hope
Enter her domain,
Neither love in vain.

Perhaps at some day beyond
Shadows and light
She will think of me and make
All me a delight
All away from sight.

Fernando Pessoa

ENTREMENTES

Longe, Longe
muito longe daqui...
Não há desgosto após o júbilo
ou medo de fugir
muito longe daqui.

Seus lábios não estavam tão rubros,
Nem seus cabelos, louros.
Suas mãos brincaram com elos,
ela não me deixou segurá-las
brincando com ouro.

Ela está n'algum lugar do passado,
longe da aflição.
Você não pode tocá-la, nem esperar
entrar em sua dominação
nem o amor em vão

Talvez n'algum dia para além
de cinzas e clarão
Ela pensará de mim e fará-me
todo uma excitação
bem longe da visão.

Tradução: Rafael dos Prazeres

terça-feira, 22 de abril de 2008